Rss

Archives for : Cinema

Festival Internacional de Cinema de Viena recebe inscrições para pré-seleção

Festival Internacional de Cinema de Viena recebe inscrições para pré-seleção
Filmes brasileiros selecionados para o evento poderão solicitar envio de cópia à ANCINE por meio do Programa de Apoio à Participação em Festivais Internacionais

O Festival Internacional de Cinema de Viena – Viennale, que chega à sua 51ª edição, tem inscrições abertas até o dia 31 de julho para a pré-seleção dos filmes que comporão a programação do evento. Entre os dias 24 de outubro e 6 de novembro, cerca de 300 produções serão exibidas nos cinemas do centro histórico da cidade austríaca. A Viennale também promove encontros, exibições de arte, paineis de discussão, lançamentos e outras atividades paralelas.

A seleção para a programação oficial do festival é feita por meio de convites: interessados em participar da Viennale têm até o dia 31 de julho para enviar uma sinopse de uma página para o endereço eletrônico film@viennale.at. Na sinopse também devem constar o formato original da obra, o tempo de duração, o formato de exibição e demais especificações técnicas. Nesta etapa, não é necessário o envio de cópias em DVD, nem em arquivo digital. Se até duas semanas após o envio a organização não tiver solicitado uma cópia de seu filme, seu trabalho não foi escolhido para a pré-seleção.

8º Festival de Cinema Italiano do Brasil

O MIS é uma das salas que recebe o 8º Festival de Cinema Italiano do Brasil, com destaque para trabalhos do ator Giancarlo Giannini, em películas totalmente restauradas. Entre os longas que serão exibidos, está Pasqualino Settebellezze (Pasqualino sete belezas), lançado em 1976, que recebeu quatro indicações ao Oscar® – Melhor ator: Giancarlo Giannini; Melhor direção e roteiro: Lina Wertmüller; Melhor filme estrangeiro. No dia 26, segunda, Giannini participa de um bate-papo com o público.

O Festival é uma realização da Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura, e conta com patrocínio da Pirelli e copatrocínio da Sabesp.

Conheça a programação completa:

26.11 SEGUNDA
11h30 – projeção de Eu e Você
11h30 – bate- papo Giannini com público no foyer

01.12 SÁBADO
14h O mal obscuro (dir. Mario Monicelli, Itália, 1990, 113 min)
16h20 Me manda Picone (dir. Nanni Loy, Itália, 1984, 120 min)
18h40 Pasqualino sete belezas (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1976, 115 min)
21h Por um destino insólito (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1974, 125 min, ficção)

02.12 DOMINGO
14h Me manda Picone (dir. Nanni Loy, Itália, 1984, 120 min)
16h20 Pasqualino sete belezas (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1976, 115 min)
18h40 Mimi – o metalúrgico (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1972, 121 min)
21h Amor e anarquia (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1973, 119 min)

03.12 SEGUNDA
18h40 O mal obscuro (dir. Mario Monicelli, Itália, 1990, 113 min)
21h O inocente (dir. Luchino Visconti, Itália, 1976, 129 min)

04.12 TERÇA
18h40 Por um destino insólito (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1974, 125 min, ficção)
21 Pasqualino sete belezas (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1976, 115 min)

05.12 QUARTA
18h40 Me manda Picone (dir. Nanni Loy, Itália, 1984, 120 min)
21h Amor e anarquia (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1973, 119 min)
06.12 QUINTA
18h40 Mimi – o metalúrgico (dir. Lina Wertmüller, Itália, 1972, 121 min)
21h O inocente (dir. Luchino Visconti, Itália, 1976, 129 min)
Ingressos para o bate-papo gratuito serão distribuídos com 1h de antecedência

Travessia em conflito – exibição do longa e debate com diretor/elenco

Convido a todos a assistirem ao filme CORAÇÕES SUJOS de Vicente Amorim. Logo após debate com o diretor e atores.

Dia 12/09 às 19h30
Centro Cultural Hiroshima
Rua Tamandaré, 800 – Liberdade
Estacionamento no local
Próximo metrô São Joaquim
Entrada franca

Travessias em Conflito é um projeto contemplado pela Lei de Fomento ao Teatro de São Paulo, através da Secretaria Municipal de Cultura. 

Visitem nosso site – www.travessiasemconflito.com.br

[As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]

Desafios e oportunidades da nova lei da TV por assinatura (via cultura e mercado)

Amigos, kibarei uma materia do site cultura e mercado, devido a relevância da mesma, perdoem a indelicadeza, se faz necessario pela causa.

” Na última semana, dois eventos movimentaram o setor audiovisual do país. Na segunda-feira (30/7), a Agência Nacional do Cinema realizou, no Rio de Janeiro, audiência pública sobre a Instrução Normativa que estabelece penalidades a quem infringir as normas dispostas na nova lei da TV por Assinatura, que cria o Serviço de Acesso Condicionado (SeAC) e institui uma cota para programação nacional e/ou independente no horário nobre de canais por assinatura.

Na terça (31/7), a Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) promoveu a Feira e Congresso ABTA 2012, em São Paulo, reunindo diversos nomes do setor para discutir, entre outros assuntos, a nova legislação. Em ambos, houve dúvidas dos canais em relação às melhorias que a lei pode trazer.

No próximo dia 18 de agosto, o Cemec promove, em São Paulo, o curso Nova Lei da TV por Assinatura, que vai abordar a lei desde os princípios técnicos e jurídicos até modelos de negócios. Um dos coordenadores do curso, Flávio Mendes, é criador, diretor artístico e roteirista de TV e cinema e sócio da empresa de “entretenimento para marcas” Ube Entertainment. Ele falou ao Cultura e Mercado sobre as possibilidades que as novas regras abrem e quais são os desafios que tanto as produtoras quanto os canais por assinatura terão que superar com a lei em vigor.

Cultura e Mercado – Na prática, o que a Lei 12.485 representa para os produtores audiovisuais independentes do país?
Flávio Mendes – A redenção! As portas do paraíso foram abertas! As oportunidades são incalculáveis para os produtores independentes de um país. O brasileiro é muito talentoso e criativo. Além disso, somos um país multicultural e racial que trata o cotidiano de forma universal. Isso é mais do que atual e abrangente. O que for criado aqui pode ser exibido em qualquer lugar do mundo, exceto formatos muito regionais.

Logicamente haverão ajustes na lei para dimensionar os primeiros resultados. Nos países desenvolvidos que aplicam este tipo de lei, os ajustes sempre foram em grande quantidade e ditados pela própria capacidade de adaptação da cadeia produtiva. A lei brasileira tem bastante da lei americana, francesa e inglesa. Estes ajustes serão feitos respeitando as diferenças e realidade de cada país, como a TV é tratada pelo mercado, anunciantes e até pelo público.

Na Argentina, a lei teve por volta de 170 emendas para ajustar ao mercado. Aqui não será diferente e agora é a hora dos produtor independente mostrar a capacidade de empreender, respeitar a dificuldade de quem compra que já tinha planejado suas verbas de outra forma e também ficam inseguros com a capacidade de realização independente em escala industrial. Os preços também terão que ser competitivos, sem que sejam aviltantes e inviáveis. A qualidade e a coragem de empreender e aprender com quem faz programas de tv em larga escala será fundamental.

CeM – A demanda por produções nacionais deve crescer exponencialmente. Quais reflexos essa procura poderá ter na qualidade do conteúdo?
FM – Em todo o mundo tem coisa boa e coisa ruim e aqui não é e nem será diferente. O Brasil é um celeiro de grandes talentos. Acabo de formatar o catálogo da Ube Entertainment, que está com 60 formatos e semanalmente recebo ideias sensacionais, até de quem, tecnicamente, nunca esteve envolvido na área. Acredito inclusive que á partir da demanda e exigência da lei, em pouco tempo, muitos países passarão a buscar o serviço por aqui e outras empresas de formato e realização serão criadas. São muitas janelas, muitas horas e quem será o beneficiado é o país.

Um fator importante da lei que muito me agrada, por sinal, é que as idéias terão que ser abrangentes, não apenas para os interesses dos compradores, mas também para os anunciantes. Com isso o conteúdo vai evoluir também. Com a publicidade limitada em tempo e forma de comercialização, as verbas das TVs sendo ainda pequenas para produzirem no Brasil e com qualidade, as marcas deverão estar nos conteúdos para colaborar com o mercado e de forma que sejam aceitas pelos órgãos reguladores. Quem vai criar vai precisar tirar coelho da cartola e aprimorar as idéias. Isso protege e valoriza o conteúdo e a qualidade.

Além disso, a composição das áreas artísticas, comerciais, jurídicas e de aquisição dos compradores, combinadas com a capacidade do realizador/criador/produtor de ser maleável e criativo para lidar com as necessidades, que é mais um fator que auxiliará na qualidade. Parece-me pouco provável que um formato “mal feito” por falta de qualidade de qualquer ordem, e ou pela incapacidade de transformá-lo em um produto comercial, entre ou permaneça no ar apenas para cumprir a cota. Ele seria obrigado a sair e a tv seguiria com a exigência da lei.

CeM – Existe algum segmento do audiovisual em especial que deve se destacar em relação ao crescimento no mercado?
FM – Estou certo que a cadeia produtiva como um todo será altamente beneficiada. Veja alguns exemplos de alguns segmentos: temos empresas de formatos brasileiras na mesma quantidade das internacionais? Quantas empresas brasileiras você conhece? A lei exige que a criação seja nacional. Quantas produtoras podem criar formatos universais e na quantidade exigida? Empresas de tecnologia terão um mercado absurdo, afinal, todos os segmentos precisam se alinhar tecnicamente/tecnologicamente, ampliar a abrangência e se modernizar.

Nem sei se existe capacidade para isso no Brasil na velocidade e investimento necessário em equipe, formação e até de equipamentos. As operadoras também chegaram para ficar na área e crescerão muito mais. As campanhas para fidelizar seus assinantes de telefonia está aí para que não pairem dúvidas. Canais brasileiros já estão sendo aprovados pela Ancine para servirem de cota para empacotadoras. Outros canais serão criados. Isso explode a demanda. Estes canais precisam de 12 horas de programação! Produtoras/realizadoras serão inundadas de trabalho. Em pouco tempo, depois da primeira rodada neste semestre, á partir de setembro, quando a lei entra para valer, vai ser uma corrida de quem compra em busca de quem seja capaz de criar e produzir.

As produtoras que saíram na frente, em breve estarão com suas capacidades “esgotadas” e os que ficaram “de fora” serão procurados. A área de equipamentos, serviços, mão de obra qualificada – criativa, a mesma coisa. Histórias precisam ser criadas, contadas, entregues, contratos terão que ser feitos, advogados serão importantíssimos na cadeia produtiva, na interpretação da lei e para ajudar o mercado a surfar essa onda que ninguém entrou e vai ter que “pular de cabeça”. Conheço até Fundo de Investimento que está sendo organizado com recursos federais. Os filmes não distribuídos serão telefilmes e séries. O entretenimento como um todo que é no Brasil um furação de crescimento será transformado em conteúdo. Show, teatro, festivais e etc. Sem contar que a web, crescendo como janela de exibição também será beneficiada.”

Lars Von Trier e Você! O diretor convida o público a participar de seu novo filme!

Envie seu curta-metragem para exibição no Programa Cinecurta TV

 
Envie seu curta-metragem para exibição no Programa
Cinecurta TV

 

O Programa Cinecurta TV da
TV Rede Paulista , canal
da região de Jundiaí-SP, filiado a TV
Brasil , é voltado para exibição do curta-metragem brasileiro
e a cada semana trás um novo filme ao público.

Estamos recebendo novas produções para
nosso programa, filmes com duração em até 25 minutos tem seu espaço garantido
em nossa grade de exibição.

Para enviar seu curta ou saber mais informações
sobre o programa, entre em contato por e-mail através do endereço: cinecurtatv@tvredepaulista.com.br

 

 

Vânia Feitosa

Produtora-Projeto
Cineclube na Cidade

(11) 9700-3120 vivo

(11) 8147-2945 tim

www.facebook.com/cineclubenacidade

cineclubenacidade@yahoo.com.br

 

Festival de Cinema realiza debate temático inédito com prefeituráveis de Santos (SP)

Festival de Cinema realiza debate temático inédito com prefeituráveis de Santos (SP)

O encontro sobre cultura acontece no dia 22 de setembro, durante o Festival de Cinema de Santos. Todos os candidatos confirmaram presença

Você já ouviu o seu candidato a prefeito apresentar, de forma direcionada, propostas para fomentar a Cultura da sua Cidade? Aproveitando o período de eleições municipais, o Curta Santos – Festival de Cinema de Santos realizará no dia 22 de setembro, sábado, uma ação inédita no país: um debate político temático sobre cultura com todos os candidatos a prefeito.

Na última semana, uma reunião com os assessores dos candidatos definiu as diretrizes do debate, que tem presença confirmada dos nove prefeituráveis de Santos. O encontro terá aproximadamente duas horas de duração e ocorrerá em uma sala de cinema, contextualizando os preceitos do Festival, que este ano completa 10 anos de existência.

Segundo o diretor geral do Curta Santos, Ricardo Vasconcellos, a intenção é abrir espaço para discussão de um assunto que muitas vezes é deixado de lado da pauta dos candidatos. “Nós, do Curta Santos, do ‘movimento cultural’, queremos que esse primeiro contato com os prefeituráveis estreite as nossas relações”, disse durante a reunião.

O diretor de produção do Curta Santos, Junior Brassalotti, também ligado ao movimento cultural da Cidade e região, acredita na importância de uma definição prévia e concreta sobre o plano de cultura da próxima gestão. “Trata-se de um dia reservado para uma ampla discussão sobre políticas públicas para área cultural, à altura que Santos merece”, enfatizou.

Formato

O debate terá, ao todo, cinco blocos e ocorrerá no Cine Roxy, no Gonzaga, em Santos. Haverá espaço para o embate padrão, quando perguntas relacionadas ao tema serão feitas pelos candidatos para os próprios candidatos. Jornalistas dos veículos de comunicação regional também participarão fazendo perguntas. A escolha desses profissionais será por sorteio.

Entretanto, a iniciativa visa uma atenção especial à classe cultural da Cidade (cinema, dança, música, literatura, carnaval, teatro, entre outros). Todas as áreas terão voz e deverão enviar um representante, previamente cadastrado na organização do Festival. Também por sorteio, cada agente cultural poderá fazer, dentro das regras propostas, pelo menos uma pergunta.

O jornalista Gustavo Klein, especializado em cultura, é o responsável pela mediação do debate. Renomado, durante anos é o único responsável por acompanhar, pela mídia, as transformações sócio-culturais ocorridas na região. Com larga experiência, já produziu matérias sobre cinema, literatura, música, televisão, artes visuais, entre outros assuntos.

10º Curta Santos F.C. – Centenário do Santos F.C. Sempre alinhado ao contexto caiçara, típico do litoral de São Paulo, este ano o Festival presta homenagem aos 100 anos do Santos Futebol Clube, peça mais do que importante na divulgação da escola do futebol brasileiro pelo mundo. “O tema da nossa 10ª edição já estava definido há dois anos”, brinca Vasconcellos. Segundo ele, a intenção é fazer uma união de festas entre áreas que sempre foram convergentes: o futebol e o cinema.


Junior Brassalotti

Diretor de Produção – Curta  SantosFestival  de Cinema de Santos

www.curtasantos.com.br
@curtasantos55- 13- 3018 90 20

junior@curtasantos.com.br
msn: contaprojr@hotmail.com
@jrbrassalotti

Skype: junior.brassalotti1Facebook.com/Junior.Brassalotti

Festival do minuto tem 30 Concursos simultâneos.

Nascido há poucos mais de 20 anos, o Festival do Minuto incentiva e premia a produção de filmes com até um minuto de duração. Permanente e online desde 2007 é um evento que abre suas portas a vídeos produzidos em todo e qualquer formato, o que gera o encontro entre produções caseiras e profissionais, afinal, todos podem concorrer indistintamente.

Atualmente, são 30 os concursos abertos. Há diferentes temas, valores de prêmios e datas de inscrição para cada um deles.

Leia mais no parceiro MaisTeatro http://www.maisteatro.com/article/festival-do-minuto-tem-30-concursos-simultneos.html

Festin Festival Itinerante de Cinema – 4ªedição -2013

Evento: Cine-fórum Brasil: Um país em busca do pai

Brasil: Um pais em busca do Pai

O Centro Loyola de Fé e Cultura / PUC-Rio realiza no dia 09 de agosto de 2012 um cine fó-rum com os objetivos de promover a reflexão sobre o reconhecimento da paternidade, exami-nando os seguintes tópicos:
– O desconhecimento do pai e suas origens históricas;
– as relações sociais desiguais que geram o filho bastardo no estado brasileiro;
– a filiação e suas Raízes antropológicas e sociais;
– a desqualificação do status de filiação e as conseqüências na sociedade brasileira;
– a paternidade: um assunto de direito e de justiça.

O filme a ser exibido é intitulado “Nada sobre meu Pai” de Susanna Lira – cineasta realizadora do documentário “Positivas” (vencedor do prêmio de melhor documentário do Júri Popular do Festival do Rio 2010).

Susanna Lira – cineasta, Diretora da Modo Operante Produções, pós graduada em Direitos Humanos.

O evento será realizado no Colégio Santo Inácio (Rua São Clemente, 226 – Botafogo) no ho-rário das 19h30 às 21h30. O valor é de R$10,00 (pode ser pago na hora e serão conferidos certificados de participação).

Salientamos que não há estacionamento no Colégio. Para quem for de carro, há um estacio-namento logo após o CSI, na garagem do prédio da Cultura Inglesa, na rua São Clemente, 258.

As inscrições devem ser realizadas previamente pelo telefone (21) 3527-2010, pelo e-mail sculturaloyola@puc-rio.br ou pelo site www.clfc.puc-rio.br .

Inscreva-se aqui: http://www.clfc.puc-rio.br/brasil_pai.html

Festival Internacional de Vídeo Universitário recebe inscrições

Festival Internacional de Vídeo Universitário recebe inscrições

Estão abertas as inscrições para a 5ª edição do Festival Internacional deVídeo Universitário (U.FRAME), que acontece de 25 a 27 de outubro na Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo (SP). O evento busca estimular a criação de obras originais por parte de estudantes da área audiovisual. Podem concorrer alunos do ensino superior e alunos graduados, que tenham concluído o curso há menos de um ano da data do festival.

Os filmes que integram a Competição Oficial deverão ter uma duração máxima de 25 minutos, exceto na Categoria Dispositivos Móveis, que deverá ter duração máxima de cinco minutos.

Cada realizador pode inscrever uma obra na Competição Oficial. Os prêmios vão de R$ 1,2 mil a R$ 6,2 mil.

As inscrições vão até 30 de julho pelo site www.uframe.org.

Festival Vitória Cine Vídeo abre inscrições

Festival Vitória Cine Vídeo abre inscrições

Estão abertas as inscrições para a 19ª edição do Vitória Cine Vídeo, que acontece de 5 a 10 de novembro na capital capixaba. O evento seleciona filmes de qualquer duração, finalizados em 2011 e 2012, produzidos por empresas e produtores brasileiros.

Serão premiadas obras selecionadas nas categorias Curta Capixaba, Ficção, Documentário, Animação, Direção, Fotografia, Roteiro, Trilha Sonora, Montagem, Direção de Arte, Produção, Ator, Atriz, Melhor Longa-Metragem e Prêmio do Júri Popular. Para o vencedor de cada categoria, uma comissão julgadora irá entregar o troféu Marlin Azul.

As inscrições terminam no dia 25 de julho e podem ser feitas pelo site
www.vitoriacinevideo.com.br.

Inscrições abertas para o 14º Festival Internacional de Cinema de Bratislava

Inscrições abertas para o 14º Festival Internacional de Cinema de Bratislava Mostras competitivas e não competitivas fazem parte do evento, que acontece entre 9 e 15 de novembro

O Festival Internacional de Cinema de Bratislava chega a sua 14ª edição e recebe inscrições para a seleção de longas-metragens de estreia (duração superior a 50 minutos), documentários (duração superior a 60 minutos)
e curtas-metragens (duração inferior a 30 minutos). O evento apresenta mostras competitivas e não competitivas e é realizado entre 9 e 15 de novembro, na capital da Eslováquia.

Gratuitas, as inscrições podem ser feitas até 30 de agosto. Todas as obras inscritas na mostra competitiva estão automaticamente consideradas para a seleção da mostra não competitiva. São aceitos filmes produzidos após 2011,
disponíveis nos formatos Digi Betacam ou 35mm e inéditos na Eslováquia.

Legendas em inglês são indispensáveis.

Será divulgada até 23 de setembro a lista dos filmes selecionados para participarem das mostras do Festival de Bratislava.

A cerimônia de entrega de prêmios será feita em 15 de novembro. O Júri Oficial, formado por personalidades de todo o mundo, será responsável pela escolha dos vencedores nas sessões: Competição Internacional de Longas-Metragens de Estreia – que concorrem aos prêmios por Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Atuação Feminina e Melhor Atuação Masculina;

Competição Internacional de Filmes Documentários – que concorrem ao Prêmio por Melhor Documentário; e Competição Internacional de Curtas-Metragens – que concorrem ao Prêmio por Melhor Curta-Metragem.

Os vencedores da edição passada foram: “Guilty” (França); “Stockholm East” (Suécia); “Visible World” (Eslováquia); “Las Acacias” (Argentina/Espanha); “17 Girls” (França); “The Night Watchman” (México); “Sundays” (Bélgica); “Perfect Sense” (Reino Unido); “Dust and Glitter” (Eslováquia) e “Dom” (Eslováquia).

A ANCINE pode conceder apoio aos filmes brasileiros participantes do Festival de Bratislava através do Programa de Apoio à Participação de Filmes Brasileiros em Festivais Internacionais. O apoio, do tipo D, se dá a partir do envio de cópias dos filmes.
Mais informações através da página oficial do Festival Internacional de

Cinema de Bratislava


Enviado por

Renata Benevento Bertelli
R2B Produções Culturais
Gestora e Administradora Cultural
www.r2bproducao.com.br

Documentário – tema direitos humanos – Canal Futura – Pitching

Walter Salles representa o Brasil em Cannes

Neste ano, o Brasil é representado por Walter Salles. O diretor chega à sua terceira indicação à Palma de Ouro – prêmio para o melhor filme – com “Na Estrada”, baseado no livro “On The Road”, de Jack Kerouac.

O cineasta carioca já havia sido indicado por “Linha de Passe” (2008) e “Diários de Motocicleta” (2004). O longa tem no elenco Garrett Hedlund (“Tron”) e Kristen Stewart (da saga Crepúsculo). O namorado da atriz, Robert Pattinson, também está no festival, mas em “Cosmópolis”, de David Cronenberg.

O Brasil ainda será homenageado por meio de uma seleção organizada por Hilda Santiago, do Festival do Rio. A mostra inclui “A Música Segundo Tom Jobim”, de Nelson Pereira dos Santos.

fonte: http://www.destakjornal.com.br/readContent.aspx?id=17,140524

CENTENÁRIO DE MAZZAROPI – CINEMATECA

CENTENÁRIO DE MAZZAROPI
03 a 15 de abril de 2012
A Cinemateca Brasileira festeja neste mês o centenário de nascimento de Amácio Mazzaropi (09 de abril de 1912 – 13 de junho de 1981). Intérprete de uma das personagens mais famosas do cinema brasileiro, o Jeca, Mazzaropi lançou-se nas telas no início dos anos 1950, na comédia Sai da frente, produzida pelos estúdios da Vera Cruz em São Paulo, e dirigida pelo cineasta e dramaturgo Abílio Pereira de Almeida. Sempre encarnando tipos populares – do motorista de caminhão ao malandro Pedro Malazartes, passando por engraxate, cangaceiro, torcedor fanático ou pai de família conservador – foi como o caipira do interior paulista que Mazzaropi eternizou-se no imaginário brasileiro. Objeto de curiosidade para críticos como Paulo Emilio Salles Gomes, e motivo de saudação para outros, como Jairo Ferreira, que chegou a comparar a importância de sua personagem a de Zé do Caixão e Antônio das Mortes, criações de José Mojica Marins e Glauber Rocha, Mazzaropi arrebatou o público em comédias que dialogavam com os espetáculos populares que desde a infância o encantavam, como o circo-teatro e a música caipira, e em filmes que tratavam de problemas concretos para suas plateias – o conflito entre o caipira e a cidade, questões agrárias e raciais, modernização e atraso, cangaço, mudanças de comportamento, etc. Em alguns momentos, também recorreu aos expedientes da paródia, satirizando gêneros narrativos como o policial e o western, numa estratégia semelhante a das chanchadas da Atlântida. Depois de obter sucesso protagonizando filmes pela Vera Cruz, pela Cinedistri, entre outras empresas, montou sua própria produtora em 1958, a PAM Filmes (Produções Amácio Mazzaropi), e instalou na cidade de Taubaté, antigo reduto de sua família, um estúdio de proporções industriais – ao menos para o contexto brasileiro da época. Além disso, também assumiu a distribuição de suas fitas e organizou uma estratégia eficiente de fiscalização das bilheterias.
A homenagem organizada pela Cinemateca reúne algumas das principais obras estreladas por Mazzaropi, como o “road movie” cômico Sai da frente (1952), Nadando em dinheiro (1952) e Candinho (1953) – produções da Vera Cruz. Além delas, os filmes O gato de madame (1956), Chofer de praça (1958), Jeca Tatu (1959), As aventuras de Pedro Malazartes (1960), e Um caipira em Bariloche (1973), títulos em sua maioria realizados pela PAM Filmes. O grande destaque da homenagem fica por conta da seção MAZZAROPI RESTAURADO, programa reunindo quatro clássicos da filmografia do comediante em cópias restauradas pela Cinemateca, com patrocínio da Petrobras – Zé do Periquito (1961),O lamparina (1963), O corintiano (1966) e O puritano da Rua Augusta (1966). Enquanto O corintiano retrata o fanatismo de um torcedor de futebol capaz das maiores loucuras para torcer por seu time do coração, O puritano da Rua Augusta, dirigido pelo próprio Mazzaropi, pega embalo no surgimento da Jovem Guarda, mostrando um pai de família conservador que tem dificuldade em lidar com os filhos, fãs do rock. Já O Lamparina, de Glauco Mirko Laurelli, cineasta e montador do clássico São Paulo S.A., de Luiz Sérgio Person, parodia os filmes de cangaço. Na mesma época em que as produções do Cinema Novo como Vidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos, e Deus e o diabo na terra do sol(1964), de Glauber Rocha, rodavam o mundo em festivais internacionais, Mazzaropi se divertia com o imaginário do gênero. Fecha o programa a comédia Zé do Periquito (1961), de Milton Amaral e Ismar Porto, cuja versão restaurada ainda não foi exibida em São Paulo.
CINEMATECA BRASILEIRA
Largo Senador Raul Cardoso, 207
próxima ao Metrô Vila Mariana
Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)
Ingressos: R$ 8,00 (inteira) / R$ 4,00 (meia-entrada)
Maiores de 60 anos e estudantes do Ensino Fundamental e Médio de escolas públicas têm direito à entrada gratuita mediante a apresentação de documento.
PROGRAMAÇÃO
03.04 TERÇA
SALA CINEMATECA BNDES
18h30 O PURITANO DA RUA AUGUSTA
20h30 O CORINTIANO
04.04 QUARTA
SALA CINEMATECA PETROBRAS
18h30 SAI DA FRENTE
20h30 NADANDO EM DINHEIRO
05.04 QUINTA
SALA CINEMATECA PETROBRAS
19h00 CANDINHO
21h00 O GATO DE MADAME
06.04 SEXTA
SALA CINEMATECA BNDES
16h30 CHOFER DE PRAÇA
18h30 JECA TATU
07.04 SÁBADO
SALA CINEMATECA PETROBRAS
16h00 AS AVENTURAS DE PEDRO MALAZARTES
19h00 O CORINTIANO
21h00 O PURITANO DA RUA AUGUSTA
08.04 DOMINGO
SALA CINEMATECA PETROBRAS
16h30 O LAMPARINA
18h30 ZÉ DO PERIQUITO
20h30 UM CAIPIRA EM BARILOCHE
10.04 TERÇA
SALA CINEMATECA PETROBRAS
19h00 O GATO DE MADAME
21h00 O LAMPARINA
11.04 QUARTA
SALA CINEMATECA PETROBRAS
18h30 UM CAIPIRA EM BARILOCHE
12.04 QUINTA
SALA CINEMATECA PETROBRAS
18h30 JECA TATU
20h30 AS AVENTURAS DE PEDRO MALAZARTES
13.04 SEXTA
SALA CINEMATECA PETROBRAS
18h30 SAI DA FRENTE
20h30 ZÉ DO PERIQUITO
14.04 SÁBADO
SALA CINEMATECA PETROBRAS
19h00 CHOFER DE PRAÇA
21h00 CANDINHO
15.04 DOMINGO
SALA CINEMATECA PETROBRAS
18h00 NADANDO EM DINHEIRO
20h00 SAI DA FRENTE
FICHAS TÉCNICAS E SINOPSES
As aventuras de Pedro Malazartes, de Amácio Mazzaropi
São Paulo, 1960, 35mm, pb, 90’
Amácio Mazzaropi, Geni Prado, Nena Vianna, Dorinha Duval
Com a morte do pai, Pedro Malazartes é trapaceado por seus dois irmãos, que tomam para si toda a herança do velho. Sem posses e sem rumo, ele deixa a fazenda paterna e encontra um grupo de meninos órfãos, que passam a acompanhá-lo. A partir daí, tentando se virar e sobreviver ao lado das crianças, ele aplica pequenos golpes – entre os quais vender uma “panela que faz tudo” e um “ganso mágico”. Primeira experiência de Mazzaropi na direção de cinema, o filme baseia-se nas histórias aventurescas de Pedro Malazartes, personagem tradicional do folclore português e brasileiro, famosa por suas malandragens e diabruras. Produção da PAM Filmes. Montagem de Máximo Barro.
livre
sáb 07 16h00 | qui 12 20h30
Um caipira em Bariloche, de Amácio Mazzaropi e Pio Zamuner
São Paulo, 1973, 35mm, cor, 100’
Amácio Mazzaropi, Yvan Mesquita, Edgard Franco, Fausto Rocha Jr.
Fazendeiro ingênuo é persuadido a vender suas terras e a se mudar para a cidade. A propriedade é entregue a um vigarista e o caipira é enviado a Bariloche, para que uma negociata capitaneada por seu genro possa se consumar. Ao descobrir a tramoia, ele regressa ao Brasil e luta para reaver sua fazenda. Um dos filmes de maior bilheteria da carreira de Mazzaropi, esta comédia de ação e suspense foi também a primeira produção da PAM Filmes rodada no exterior. Destaque para o número musical interpretado pela cantora Elza Soares, aos pés do Cristo Redentor. Montagem de Mauro Alice.
livre
dom 08 20h30 | qua 11 18h30
Candinho, de Abílio Pereira de Almeida
São Paulo, 1953, 35mm, pb, 94’ | Exibição em Beta digital
Amácio Mazzaropi, Marisa Prado, Ruth de Souza, Adoniran Barbosa
Caipira abandona o campo e segue para São Paulo para ganhar a vida. Lá encontra seu grande amor – a filha do fazendeiro para quem até então trabalhara. A moça é agora dançarina de cabaré. Apaixonado, o caipira fará de tudo para levá-la de volta à fazenda paterna. Livre adaptação do Cândido, de Voltaire, Candinho marca a estreia de Mazzaropi no papel da personagem que irá consagrá-lo futuramente. A fotografia é assinada por Edgar Brasil, responsável pelas imagens do mitológico Limite, de Mario Peixoto. Produção da Companhia Cinematográfica Vera Cruz.
livre
qui 05 19h00 | sáb 14 21h00
Chofer de praça, de Milton Amaral
São Paulo, 1958, 35mm, pb, 96’
Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Ana Maria Nabuco, Carmem Morales
Casal de sertanejos chega à cidade para colaborar com os estudos do filho, que quer se tornar médico. Para ganhar algum dinheiro e ajudá-lo, o marido trapalhão vai trabalhar como chofer de praça. Conduzindo um calhambeque aos pedaços, ele cria as maiores confusões no trânsito de São Paulo. Chofer de praça é o filme de estreia da companhia produtora criada por Mazzaropi em 1958 (PAM Filmes). Nele, o ator, diretor e produtor investiu todos os seus recursos, inclusive o dinheiro adquirido com a venda de sua casa própria. Rodado com equipamentos da Vera Cruz, Chofer de praça se vale do tradicional embate entre os costumes do homem do campo e a vida na metrópole – situação dramática exaustivamente trabalhada pelo comediante. Apesar do risco, a produção encontrou boa receptividade em salas de cinema do interior do país. Vale destacar também em Chofer de praça as imagens da capital paulista e seus arranha céus nos anos 1950.
livre
sex 06 16h30 | sáb 14 19h00
O gato de madame, de Agostinho Martins Pereira
São Paulo, 1956, 35mm, pb, 85’ | Exibição em 16mm
Amácio Mazzaropi, Odete Lara, Carlos Cotrim, Durval Roberto
Engraxate se envolve com uma quadrilha de bandidos ao encontrar um gato perdido na rua, pelo qual sua dona, uma grã fina, oferece uma promissora recompensa. Segundo filme do diretor de origem portuguesa Agostinho Martins Pereira, que também havia colaborado com o sonho industrial da Vera Cruz, O gato de madame marca a estreia de Odete Lara nas telas. Por sua atuação, a futura atriz do cinema moderno brasileiro – protagonista de clássicos de Walter Hugo Khouri e Glauber Rocha – recebeu o Prêmio Governador do Estado em 1956. Numa estética semelhante à das chanchadas da Atlântida, O gato de madame parodia os principais clichês do cinema policial americano. Produção da Cinematográfica Brasil Filme.
livre
qui 05 21h00 | ter 10 19h00
Jeca Tatu, de Milton Amaral
São Paulo, 1959, 35mm, pb, 90’
Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Roberto Duval, Nicolau Guzzardi
Caipira preguiçoso entrega pedaços de sua terra para pagar suas dívidas. Além disso, briga constantemente com um latifundiário italiano e tem de lidar com as investidas de um capataz que quer a todo custo se casar com sua filha. Homenagem declarada ao universo e à personagem criada pelo escritor Monteiro Lobato, Jeca Tatu é um dos maiores sucessos de bilheteria do comediante. Montagem de Mauro Alice.
livre
sex 06 18h30 | qui 12 18h30
Nadando em dinheiro, de Abílio Pereira de Almeida e Carlos Thiré
São Paulo, 1952, 35mm, pb, 78’ | Exibição em Beta digital
Amácio Mazzaropi, Ludy Veloso, A. C. Carvalho, Nieta Junqueira
Modesto condutor de caminhão é herdeiro de uma fortuna. Ele se muda para a mansão herdada e começa a viver como milionário, arrancando gargalhadas dos grã-finos que não admitem seus modos populares. Mais tarde, se envolve numa série de confusões ao arrumar uma amante. Realizado no esteio do sucesso de Sai da frenteNadando em dinheiro é o segundo filme da Vera Cruz estrelado pelo comediante, novamente sob a direção de Abílio Pereira de Almeida.
livre
qua 04 20h30 | dom 15 18h00
Sai da frente, de Abílio Pereira de Almeida
São Paulo, 1952, 35mm, pb, 80’ | Exibição em Beta digital
Amácio Mazzaropi, Ludy Veloso, A. C. Carvalho, Nieta Junqueira
Carregando uma mudança, motorista trapalhão viaja de São Paulo a Santos ao lado do fiel companheiro de trabalho, um cachorro. Durante a travessia até o litoral, encontra diversas personagens – policiais, uma trupe de circo, uma noiva trancada num armário etc – e comete as maiores confusões. “Road-movie” cômico dirigido pelo ator, produtor e dramaturgo Abílio Pereira de Almeida, um dos nomes mais importantes da cena teatral paulistana nos anos 1950. Depois de bem-sucedidas experiências no rádio e no circo, Mazzaropi faz sua estreia no cinema. Produção da Companhia Cinematográfica Vera Cruz.
livre
qua 04 18h30 | sex 13 18h30 | dom 15 20h00
MAZZAROPI RESTAURADO
O corintiano, de Milton Amaral
São Paulo, 1966, 35mm, pb, 100’
Amácio Mazzaropi, Elizabeth Marinho, Lúcia Lambertini, Roberto Pirillo
Barbeiro fanático pelo Corinthians é capaz das maiores loucuras para torcer para seu time do coração: andar com um burro preto e branco, bater boca com torcedores de times de futebol rivais, fazer promessas malucas, orar, sofrer e xingar na arquibancada. Por conta de sua desmedida paixão pelo futebol, se indispõe com os vizinhos e com a família. O corintianoé uma eficiente e popular comédia de costumes, feita para agradar “a todas as torcidas”, segundo anunciavam seus cartazes de divulgação. Aqui, Mazzaropi deixa temporariamente de lado a personagem do Jeca para viver outro tipo popular, um barbeiro turrão, cuja paixão pelo futebol serve de pretexto para que a narrativa encene o conflito entre pais e filhos, entre tradição e ruptura – tema a ser aproveitado também um pouco depois em O puritano da Rua Augusta. Produção da PAM Filmes. Filme restaurado pelo Programa de Restauro Cinemateca Brasileira – Petrobras 2007.
livre
ter 03 20h30 | sáb 07 19h00
O Lamparina, de Glauco Mirko Laurelli
São Paulo, 1963, 35mm, pb, 84’
Amácio Mazzaropi, Geny Prado, Zilda Cardoso, Emiliano Queiroz
Caipira desempregado sai da cidade de São Paulo e retorna ao Nordeste em busca de trabalho. Por acidente, ele e sua família acham-se vestidos de temíveis cangaceiros. Sátira aos filmes de cangaço, O lamparina inverte os principais clichês do gênero, brincando com o universo do faroeste e do filme de aventuras, numa estratégia cômica bem próxima à das chanchadas cariocas. Ídolo já consagrado na época, Mazzaropi mais uma vez se arrisca como cantor, interpretando canções de autoria de seu compositor favorito, Elpídio dos Santos. Na mesma época em que filmes do Cinema Novo comoVidas secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos, e Deus e o diabo na terra do sol (1964), de Glauber Rocha, rodavam o mundo em festivais internacionais, Mazzaropi se diverte com o imaginário do cangaço. Terceiro filme do comediante sob a direção do cineasta Glauko Mirko Laurelli, também montador e produtor de filmes de Luiz Sérgio Person, como São Paulo S.A. Filme restaurado pelo Programa de Restauro Cinemateca Brasileira – Petrobras 2007.
livre
dom 08 16h30 | ter 10 21h00
O puritano da Rua Augusta, de Amácio Mazzaropi
São Paulo, 1966, 35mm, pb, 95’
Amácio Mazzaropi, Marly Marley, Marina Freire, Elizabeth Hartmann
Comédia de costumes realizada sob os embalos da Jovem Guarda. Mazzaropi interpreta um velho pai de família que adere a uma liga moralizante contra os novos costumes da juventude seduzida pelo rock n’ roll. Destaque para as participações da banda The Jordans e da cantora Elza Soares. Produção da PAM Filmes. Filme restaurado pelo Programa de Restauro Cinemateca Brasileira – Petrobras 2007.
livre
ter 03 18h30 | sáb 07 21h00
Zé do Periquito, de Milton Amaral e Ismar Porto
São Paulo, 1961, 35mm, pb, 86’
Amácio Mazzaropi, Maria Helena Dias, Augusto César Vannuchi, Eugenio Kusnet
Jardineiro de um colégio se apaixona por uma jovem estudante. Querendo enriquecer para então se casar com ela, muda de cidade e começa a ganhar dinheiro com um realejo e um periquito da sorte. Mas ninguém quer saber dele até que uma maltrapilha resolve ajudá-lo, passando fofocas sobre a vida dos moradores. Destaque para os números musicais interpretados por Agnaldo Rayol e Hebe Camargo. Produção da PAM Filmes. Filme restaurado pelo Programa de Restauro Cinemateca Brasileira – Petrobras 2007.
livre
dom 08 18h30 | sex 13 20h30

Cinemateca Brasileira
Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino – 04021-070 – São Paulo
(11) 3512-6111 / contato@cinemateca.org.br

Secretaria Municipal de Cultura abre inscrições para editais de cinema SP

Inscrições devem ser feitas pessoalmente até final de março; serão investidos, ao todo, R$ 5,8 milhões

Share/BookmarkCompartilhe

A partir de hoje estão abertas inscrições para cinco editais de cinema, promovidos pela Secretaria Municipal de Cultura. O Concurso de Co-Patrocínio para Produção de Filmes de Curta-metragem tem por finalidade fomentar a produção de dez filmes de curta-metragem de ficção.

Entre os pré-requisitos, está a necessidade de conter 50% das cenas externas na cidade de São Paulo; ter pelo menos 15 minutos de duração, captados em película cinematográfica Super 16mm, 35mm ou suportes digitais de alta definição. Serão destinados recursos no valor de até R$ 1 milhão para aplicação neste edital. O valor a ser concedido a cada um dos dez projetos co-patrocinados não poderá ultrapassar R$ 100 mil.

Há dois editais que contemplam especificamente longas-metragens: o primeiro é de copatrocínio a produção de filmes de longa-metragem, que apóia projetos de produção de filmes de baixo orçamento, de complementação de filmagem e de finalização de longa-metragem.

Esta categoria inclui projetos de produção de filmes de longa-metragem de baixo orçamento (obra audiovisual inédita, destinada à exibição no mercado e cujo custo de produção não ultrapasse o valor de até R$ 1,5 milhão); de complementação de filmagem de longa-metragem e de finalização de longa-metragem. Em todos os casos, 50% das cenas externas devem ser filmadas na cidade de São Paulo. Para este edital, o investimento da Secretaria será de R$ 3,3 milhões.

O segundo edital para longas-metragens é para desenvolvimento de projetos. Serão selecionados 10 projetos cinematográficos inéditos, nos gêneros de ficção, animação, documentário, série de TV, série de animação. Serão destinados, ao todo, R$ 700 mil, sendo até 70 mil para cada um dos 10 projetos.

Também estão abertas inscrições para a 6ª edição do projeto História dos Bairros de São Paulo. Desta vez, serão selecionadas propostas de documentários com duração de 26 minutos sobre os bairros Cangaíba, Cidade Líder, Vila Sônia, Tremembé, Cidade Dutra, Vila Jacuí, Ponte Rasa, Cidade Ademar, Aricanduva, Marsilac, Penha, Mandaqui, Vila Curuçá e São Domingos. Serão selecionadas seis propostas com valor de até R$ 100 mil, totalizando um investimento de R$ 600 mil.

Para a série de documentários Crônicas da Cidade, as propostas devem contemplar filmes com duração de até 5 minutos cujo tema deve ser relacionado à cidade de São Paulo: um local, personagem, estabelecimento, evento etc. As filmagens também devem ser realizas na capital paulista. Serão destinados R$ 200 mil, sendo que cada um dos 5 projetos selecionados receberá até R$ 40 mil.

Os projetos deverão ser entregues pessoalmente (não serão aceitas propostas por e-mail e correio) ao Escritório de Cinema de São Paulo (Ecine), situado na Avenida São João, 473, 7º andar. O escritório funciona de segunda a sexta-feira (exceto feriados) das 10h às 12h e das 14h às 17h.

Para os editais de desenvolvimento de projetos de longa-metragem, de curta-metragem e a 6ª edição do projeto História dos Bairros de São Paulo e Crônicas da Cidade, o prazo de entrega é o dia 30 de março. Para o edital de produção de filmes em longa-metragem, serão aceitos projetos entregues até o dia 29 de março.

Confira os editais na íntegra: (em pdf)

Confira os editais na íntegra: (em word)

1º lugar – curtas metragens – Festival de Cinema de Berlim

Tweeter button Facebook button Youtube button