Rss

Archives for : Mobilizações e Discussões da Comunidade

Inauguração do SESC 24 de Maio.

Sesc 24 de Maio

Aproveitem que hoje (19/08/2017) e amanhã o SESC 24 de Maio está inaugurando e traz diversas atividades GRATUITAS!!!

Dentre os destaques estão:

Sábado (19/08/2017)

FERNANDA MONTENEGRO

Circo Em(Cena)

Arautos do Bem-Viver

Rindo Conformis

Arte em Alta

 

Domingo (20/08/2017)

Mágica Close Up

Selvagem

Percha no Asfalto

Impossível Alerta (Contém Mágica)

Martinho Rap Samba Rock

Para maiores informações: SESC 24 DE MAIO

Caravana da Palhaçaria – America Latina

Senhoras e senhores, hermanos e hermanas, a Cia Palhaçaria, Risadas & Outras Bestagens apresenta:

Caravana da Palhaçaria – America Latina

Vem com a gente, vem!

Patrocine com qualquer quantia:

(financiamento coletivo)

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/caravana-da-palhacaria

Esta é uma expedição humanitária, sem fins lucrativos, em que apresentaremos 2 espetáculos diferentes nas escolas, praças, parques e ruas, para toda a população, gratuitamente, usando a linguagem do palhaço para promover a alegria e o bem estar, além do intercâmbio artístico e cultural entre os artistas da Cia Palhaçaria e os grupos locais de cada cidade.

Este projeto é livremente inspirado no trabalho desenvolvido pelos Payasos em Rebeldia, Payasos Sin Fronteras, Caravana Tapioca, que desempenham um importante papel, reconhecido mundialmente, no que diz respeito à luta pela paz entre os povos, a compreensão mútua e o respeito ao indivíduo. Utilizando as artes cênicas e a palhaçaria, como uma linguagem sem fronteiras, capaz de criar relações entre os artistas e as populações locais de maneira afetiva, inteligente e criativa.

Confira o projeto na integra: www.palhaçaria.com

Manifestação pela liberdade e contra decreto municipal que restringe a arte de rua em São Paulo

imageNós artistas e apreciadores da arte de rua, que lutamos diariamente em favor da liberdade de expressão, e que ocupamos o espaço público trazendo nosso trabalho, nossa alegria e nossa inspiração, fomos duramente atacados por um decreto que não só nos impede de nos expressar mas para além disso, nos impede de ganhar o pão de cada dia. Nós somos a favor da vida da liberdade e da criatividade, por isso somos contra este decreto aviltante…

ACREDITAMOS NAS FLORES VENCENDO O CANHÃO. LHES CONVIDAMOS A JUNTAR-SE AO CORO “A PREFEITURA VAI DANÇAR” ————————————————————————————————————- CRONOGRAMA 13hs na Casa Amarela – confecção de cartazes, faixas e materiais para a manifestação 14hs – concentração e saída em cortejo da Casa Amarela para a Prefeitura ————————————————————————————————————- DECRETO AVILTANTE* http://bit.ly/1f6DmuP

Descaso com a arte…

Carta aberta à Subprefeitura de Santo Amaro

A Mostra Chapéu de Palha vem tornar público o ocorrido na última quinta-feira, 07/11/2013, na Praça Floriano Peixoto em Santo Amaro/SP, quando um fiscal da PMSP abordou os repentistas que lá se apresentavam, usando de tom totalmente hostil, autoritário e desrespeitoso, exigindo o fim da apresentação artística sob pena de serem confiscados os instrumentos.
Muitas histórias ouvimos sobre a humilhação sofrida antigamente por repentistas em São Paulo que volta e meia eram presos por vadiagem. Contudo, jamais pudemos imaginar que fossemos sofrer tamanha agressão moral nos dias de hoje, menos ainda logo após a sanção da Lei 15.776, de 29 de maio de 2013 que dispõe sobre a apresentação de artistas de rua na cidade de São Paulo.
É bom frisar que o Projeto Mostra Chapéu de Palha nasceu no coração de Santo Amaro, por coincidência na mesma rua onde fica a subprefeitura! O conhecido Sr. Alberto, apologista da cultura nordestina, por mais de 10 anos realizou por conta própria encontros de cantadores que traziam público de 200 pessoas ao seu restaurante chamado Chapéu de Palha, lugar famoso entre repentistas, cordelistas e forrozeiros.
Em 2009 a idéia foi formatada como projeto cultural e já foi rapidamente contemplada pelo Ministério da Cultura no Prêmio Patativa de Assaré e agora recentemente no Edital ProAc da Secretaria de Estado da Cultura. A Tenda do Repente e Cordel Chapéu de Palha esteve presente no Anhangabaú durante a comemoração do Centenário de Luiz Gonzaga e 1º Arraiá de São Paulo e no Sesc Osasco, além de outras aparições publicas.
Em parceria com a Supervisão de Cultura da Subprefeitura de Santo Amaro desde outubro a Mostra Chapéu de Palha passou a se apresentar semanalmente no Gazebo integrando o projeto Praça Viva. Como a praça não apresenta ponto de energia até hoje, não obstante todas as semanas ser feita a promessa que um ponto de energia alí seria instalado, passamos a usar a Praça Floriano Peixoto em 31/10/2013.
E na segunda apresentação no novo local, a mesma subprefeitura que sempre conta com nossa colaboração artística e também com empréstimo de tenda e equipamento de som e ampla divulgação, nos causa tamanha tristeza e indignação.
Como até o momento não houve qualquer contato conosco, traduzindo novo descaso, a partir de hoje, 11/11/2013, ficam suspensas todas as parcerias da Mostra Chapéu de Palha com a Subprefeitura de Santo Amaro, incluindo o Natal Iluminado e ações nos equipamentos públicos culturais.

Telma Queiroz
Mostra Chapéu de Palha

Fonte: http://projetos100jaba.wix.com/chapeudepalha?from_fb=1

Vídeo feito por alunos de cinema causa polêmica.

Está circulando na internet um vídeo de alunos de uma universidade de cinema da Alemanha que mata o Adolf Hitler quando criança indicando que assim resolveriam-se os problemas ocasionados por ele no futuro.

Vejam e digam até que ponto essa arte é válida?

Em tempo: A Mercedes não autorizou o vídeo, é feito sem aprovação destes.

Quanto custa a formação de um ator profissional?

Curso técnico de 2 anos = 16.000,00

Registro Profissional = 1.500,00 (SatedSP)
Vídeo Book e Book = 2.000,00
Site e portfólio on line = 1.000,00
Workshops e cursos de especialização = 5.000,00
Total = 25.500,00
Ver uma galera aceitando cache de 120 reais, não tem preço!
Obs.:
Com um cache liquido de 120 reais a diária, (bruto de 80) , É preciso trabalhar 312 dias só pra recuperar o investimento.
Um ator freelance, com muita sorte, consegue trabalhar uns 100 dias durante um ano.
Ou seja, com muita, mas muita sorte, 3 anos depois de “formado” um ator consegue recuperar o dinheiro investido na carreira.
*Não incluímos custos de vida como aluguel, comida, transporte, água, luz, gás, saúde e estética.
Atores não precisam desses luxos pra viver.
#naoépor120reais capitulo 1.
Quanto vale ou é por quilo?

Salvem o teatro de Taubaté #salveoteatro

“Histórias da Ana”

Webserie ambientada em são paulo e que conta o dia-a-dia da Ana, daí o nome “Histórias da Ana”,tudo começou em 2012 quando a publicitária e atriz Ana Paula Dias e sua amiga Fernanda Soares que é formada em cinema, junto com umas amigas,(atrizes e que as vezes também auxiliam nas gravações) Gabriela Pimenta e Fafá Rennó, com uma filmadora produziram e postaram o primeiro vídeo no Youtube, isto foi em 8 de março de 2012, intitulado “Elevador”, passando em apenas um dia a casa das mil visualizações.A Fernanda e a Ana  se conheceram em Nova York, onde estudaram em 2007/08.

O projeto é uma produção independente a procura de parceria para que assim tenha maior notoriedade, o desejo das meninas para a temporada de 2013 é de gravar no minimo um episódio em Minas Gerais,(terra natal da Fernanda) o roteiro já esta em andamento.

As histórias são idealizadas pelas produtoras ou enviados por internautas através do email:                    historiasparaana@gmail.com

Criado em 2011,não com as “historias” propriamente dita, apenas mostrando o lado cantora da Ana, hoje o canal no youtube conta com 40 vídeos (Históricas da Ana, Ana em fúria, Música), sendo mais de 1.786 inscritos e 135.495 visualizações, “você é atriz?” sendo o vídeo mais visto ate hoje.
Siga as Histórias da Ana no: FacebookTwitterYoutube.

Artista é Micro Empreendedor Individual, sim senhor! Assine e vamos conquistar esse direito!

Amigos, assinem! Ta fácil melhorar a burocracia pros artistas brasileiros… Assinem! Assinem! Assinem! http://t.co/6K1aA2Et

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2013N34108
Entre no link acima e assine!

Solicitamos ao Comitê Gestor do Simples Nacional a edição de duas resoluções, no sentido de aperfeiçoar as normas já existentes (Simples da Cultura – LC 133/09), possibilitando a ampliação das ocupações e das atividades do setor artístico e cultural beneficiadas pelo Simples Nacional e permitidas ao Microempreendedor Individual.

Essas resoluções são fundamentais para a criação de um ambiente empreendedor favorável que permita a formalização de todos os setores artísticos e culturais e que estimule o desenvolvimento sustentável desses negócios no Brasil.

A primeira proposta diz respeito à uma resolução que retire a subclasse CNAE 9002-7/01, denominada “Atividades de artistas plásticos, jornalistas independentes e escritores” da lista de atividades impedidas de optar pelo Simples Nacional (Anexo VI da Resolução CGSN no 94/11).

A justificativa é simples e óbvia. Essa subclasse abrange atividades de produção cultural e artística, como as atividades de artistas plásticos, de pintores artísticos, de escultores, de gravadores, de criadores de desenho animado e de escritores de todos os tipos de assuntos.

Esses profissionais são empreendedores por natureza e desenvolvem uma série de atividades econômicas. Criam por conta própria e comercializam suas obras diretamente ao público, produzem sob encomenda para a Administração Pública e participam de concursos (modalidade de licitação), organizam exposições individuais e coletivas, promovem saraus e vernissagens, abrem seus ateliês para visitação, distribuem suas obras por meio de livrarias e galerias, dentre outros exemplos. Todas essas atividades envolvem recursos financeiros que, para serem corretamente contabilizados, precisam de documentos fiscais correspondentes. Estando fora do Simples Nacional, esses artistas e produtores culturais não recebem estímulo algum para deixarem a informalidade. O Estado perde em arrecadação e os empreendedores permanecem estagnados em suas carreiras, sem acesso a grandes mercados, à crédito bancário e sem proteção previdenciária.

A segunda resolução visa incluir todas as atividades artísticas e culturais na lista de ocupações permitidas ao Microempreendedor Individual (MEI), a saber, o Anexo XIII da Resolução CGSN no 94, de 29 de novembro de 2011.

Uma característica marcante do setor artístico e cultural é a prevalência de trabalhos temporários sem vínculos empregatícios. São prestadores de serviços por natureza, devido à própria dinâmica do setor. Um mesmo profissional trabalha paralelamente para dois ou mais projetos culturais. A produção de um filme dura alguns meses, uma exposição permanece em cartaz por algumas semanas, um espetáculo é apresentado em uma temporada ou em uma turnê, um disco ou um livro são lançados em pequenas edições ou tiragens, e assim por diante.

A lista abaixo apresenta as ocupações do setor artístico e cultural que deveriam ser incluídas, por meio de uma resolução, na lista de ocupações permitidas ao MEI:

Apresentador de eventos (CNAE 9001-9/99)
Apresentador de rádio (CNAE 9001-9/99)
Apresentador de televisão (CNAE 9001-9/99)
Artista de circo (CNAE 9001-9/04)
Artista plástico (CNAE 9002-7/01)
Assistente de direção (CNAE 9001-9/99)
Ator independente (CNAE 9001-9/01)
Autor/compositor de música (CNAE 9001-9/02)
Bailarino (CNAE 9001-9/03)
Cartunista (CNAE 9002-7/01)
Cenógrafo (CNAE 9001-9/99)
Coreógrafo (CNAE 9001-9/03)
Criador de desenho animado (CNAE 9002-7/01)
Dançarino popular (CNAE 9001-9/03)
Diretor artístico (CNAE 9001-9/99)
Diretor de cinema (CNAE 5911-1/01)
Diretor de televisão (CNAE 5911-1/02)
Dono de cabaré (CNAE 9329-8/01)
Dono de casa de show (CNAE 9003-5/00)
Editor de música (CNAE 5920-1/00)
Empresário de espetáculos ao vivo (CNAE 9001-9/99)
Escritor literário (CNAE 9002-7/01)
Escultor (CNAE 9002-7/01)
Figurinista (CNAE 9001-9/99)
Manipulador de bonecos (CNAE 9001-9/04)
Maquiador artístico (CNAE 9001-9/99)
Músico arranjador (CNAE 9001-9/02)
Músico regente (CNAE 9001-9/02)
Operador de projetor cinematográfico e áudio (CNAE 5914-6/00)
Pintor artístico (CNAE 9002-7/01)
Produtor cultural (CNAE 9001-9/99)
Produtor de cinema (CNAE 5911-1/99)
Produtor de vídeos (5911-1/99)
Produtor fonográfico (CNAE 5920-1/00)
Produtor musical (CNAE 9001-9/02)
Produtor teatral (CNAE 9001-9/01)
Promotor de shows e festas (CNAE 9001-9/02)
Roadie (assistente de palco) (CNAE 9001-9/99)
Roteirista (CNAE 9001-9/99)
Técnico de gravação de áudio (CNAE 5920-1/00)
Técnico de masterização de áudio (CNAE) 5920-1/00
Técnico de mixagem de áudio (CNAE 5920-1/00)

Ação no twitter ajuda a promover o trabalho do doutores da alegria nos hospitais de recife.

Ação no twitter ajuda a promover o trabalho do doutores da alegria nos hospitais de recife.

E vc também pode espalhar um #nataldobem e multiplicar os risos do @doutores nos hospitais. Nunca um tuite valeu tanto! Vem gente!

RT @shoppingrecife: Vamos espalhar alegria? Basta tweetar #nataldobem + @doutores para ajudar os Doutores da alegria a visitar uma criança.

Vai lá tuitar ow, tá esperando o que?

O clown visitador

  O CLOWN VISITADOR: comicidade, arte e lazer para crianças hospitalizadas
     Ana Elvira Wuo

     Número de páginas : 168
     Ano : 2011
     Peso : 0.276
     ISBN : 978-85-7078-285-4

Os livros publicados no Brasil sobre o tema da arte do clown em ambiente hospitalar são geralmente focados na experiência pioneira dos “doutores da alegria” e são referências em diversos cursos de formação em teatro, psicologia e enfermagem. O texto de Ana Wuo apresenta outra abordagem da relação entre a palhaçaria e o ambiente hospitalar em toda sua complexidade, Ao acionar a figura do “clown visitador” e não do “doutor-palhaço”, a autora investiga outro modo de operar nesse espaço e novas formas de integração com ele. Este livro possibilita aos alunos e pesquisadores das áreas artística e de saúde o contato com uma pesquisa de fôlego, desenvolvida dentro do ambiente hospitalar, unindo arte, lazer e saúde no tratamento de crianças hospitalizadas.

SATED/RS na luta para manter o Centro Cenotécnico

SATED/RS na luta para manter o Centro Cenotécnico

O Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Rio Grande do Sul (SATED/RS) convoca a todos os associados e parceiros da entidade para apoiarem a luta contra o fechamento do Centro Cenotécnico. O espaço, que é um dos mais importantes para as artes cênicas do Estado, está sendo desapropriado pela administração municipal de Porto Alegre para a realização das obras previstas no entorno da rodoviária, em função da Copa do Mundo de 2014.

Reunião realizada no dia 2 de junho, no Centro Cenotécnico, com autoridades, lideranças políticas e várias representações da classe artística do Rio Grande do Sul, definiu que a partir do dia 3 de junho serão feitos movimentos em várias frentes, como: colocação de faixas de protesto no prédio do Centro Cenotécnico; manifestação na tribuna popular da Câmara dos Vereadores no dia 9 de julho; audiência pública com o Prefeito; audiência pública com o Secretário Municipal da Copa, Sr. Urbano Schmitt; audiência pública com as comissões de cultura do Município e do Estado; mobilização do Conselho Municipal e Estadual de Cultura; solicitação de pronunciamento do Secretário Municipal e Estadual de Cultura; divulgação em mídias sociais; entrega de carta da classe artística ao Secretário Estadual e Municipal de Cultura e demais ações que se fizerem necessárias para manter o espaço.

Não podemos permitir que o Centro Cenotécnico seja fechado. Estamos tentando encontros para pauta de negociações.

Só a união de todos fará a diferença. Venha lutar conosco por este espaço tão importante no cenário cultural!

Saiba mais sobre o Centro Cenotécnico

Administrado pelo Instituto Estadual de Artes Cênicas – IEACen – SEDAC, o Centro Cenotécnico do estado, situado na rua Voluntários da Pátria, 1370, fundado em março de 1995, é o único centro cenotécnico público da América Latina, referência para as Artes Cênicas do Rio Grande do Sul, possui 1300 metros quadrados de área total.

O Centro Cenotécnico, serve como local de ensaios para mais de 80% da produção cênica porto-alegrense e palco de montagens alternativas, além de ser o espaço onde são concebidos e construídos cenários e adereços de teatro, circo, dança, cinema, carnaval, publicidade e eventos em geral, por isso a importância, não só para as Artes Cênicas, mas para cultura em geral do estado. Por ser um conjunto de galpões sem características especificas apresenta condições favoráveis a se moldar a diversidade das investigações espaciais, característica das experimentações artísticas e técnicas contemporânea, portanto sua reforma o habilita a se tornar num espaço referencial também para a cena contemporânea do sul do país.

Entre em contato com o SATED pelo fone 3226-1921 ou pelo email satedrs@satedrs. <http://org.br/org.br. Proponha. Opine. Una-se a luta. Junte se a nós.

www.satedrs.org.br <http://www.satedrs.org.br/>

Seja amigo do Centro Cenotécnico no Facebook:

https://www.facebook.com/ieacen.cenotecnico

Arte de Rua Livre – Rio de Janeiro – Final Feliz!

Chegam boas notícias da cidade maravilhosa, direto do grupo Offcina de Teatro, pela atriz e palhaça Lilian Moraes

Segue relato: ” Ontem, foi tudo tranquilo no Largo do Machado.
Exercemos o nosso ofício sem nenhum constrangimento por parte da GM.
O espetáculo foi lindo, o público estava eufórico e os amigos compareceram para dar uma força.
Isso é só o começo. Com a Lei do Artista de Rua no bolso, vamos ocupar as praças, ruas e vielas e fazer valer nossos direitos de artista-trabalhador.
Até a próxima!”

Nós do centrald e atores,  ficamos muito felizes em saber que esta novela e os terríveis episódios de proibição de arte de rua, no rio de janeiro, chegaram ao fim. E temos um final feliz!

Que a arte alcance a todos e seja sempre um exercício de liberdade e manifestação do pensamento!

Caso FUNARTE parte 3! Sim, ainda não acabou… carta resposta do Ator Carlos Palma ao presidente da funarte antonio grassi referente a matéria publicada no jornal Folha de São Paulo em 25/06/2012.

carta resposta do Ator Carlos Palma ao presidente da funarte antonio grassi referente a matéria publicada no jornal Folha de São Paulo em 25/06/2012.

SINCERAMENTE ME ESPANTA QUE AS AFIRMATIVAS DO PRESIDENTE FIQUE SEM RESPOSTAS PELA MAIORIA PARECE ATÉ QUE ESTAMOS COM MEDO! Medo do que?

RESPOSTA AO PRESIDENTE DA FUNARTE – ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL
FOLHA DE SÃO PAULO, CADERNO ILUSTRADA, EM 25 DE JULHO DE 2012

O Presidente da Funarte, Antonio Grassi, tem toda razão. Reclamamos por que perdemos sim. E olha que nem na segunda suplência ficamos. O problema é como o edital se apresenta. E das dúvidas que pairam sobre as decisões da comissão julgadora e da própria Funarte

Da forma anacrônica que ai está o edital permite todo tipo de direcionamento e manipulação que eu possa imaginar, obrigando a todos acreditar cegamente que apenas e simplesmente três jurados são suficientes para decretar uma ocupação, com subsidio financeiro, de grande importância, não apenas aos grupos que concorrem, mas para o interesse e o desenvolvimento das artes cênicas em São Paulo. Nenhuma consulta é feita a quem faz e nem a quem se interessa pelo teatro profissional e pela nossa cultura. Será que não é possível haver um método mais “científico” que quando aplicado a ele, o edital, possamos ter um resultado menos duvidoso e assim digno de ser respeitado em sua inteireza? Ou será que devemos delegar aos três deuses o nosso destino de produtores de arte?

Conhecer os projetos inscritos antes me parece primeiro passo para um novo enfrentamento desta questão. Permitindo a qualquer interessado realmente comparar e se envolver criativamente, interagir através de todos os meios com a Funarte. Analisar livremente e adequadamente sob as diretrizes colocadas no edital, tal como diferencial criativo, questões educacionais e sociais e de contrapartida. Pode parecer complicado, trabalhoso, mas quando se trata de dinheiro público se requer o máximo de transparência evitando que o ideológico, o fisiológico e o popular “subjetivo” predominem.

Posso citar aqui uma experiência bem sucedida durante a administração de Luiza Erundina na cidade de São Paulo cuja secretaria da cultura estava a cargo da socióloga Marilena Chauí (1989/1992): a cessão dos teatros públicos era feita por um edital onde depois de analisados os projetos pela comissão julgadora, 4 selecionados de todos os inscritos, eram convidados a expor entre si e à comissão seus projetos, tornando, se não público na sua totalidade, mas pelo menos deixando claro entre os concorrentes os objetivos e suas justificativas artísticas de maneira a quebrar a rigidez do papel impresso e fazendo da defesa
oral uma ferramenta de convencimento. Seguia-se a esse momento a decisão final da comissão.

Outras maneiras hão de existir que só depende de uma vontade inequívoca de dar transparência a coisa pública.

Mas isso não é possível. Sendo de outra maneira poderíamos entender porque perdemos. Entender o mundo que se passa na cabeça desses jurados. Entender o porquê da escolha pela Funarte desses jurados. Entender a política para o teatro da Funarte para a cidade de São Paulo. Entender que os critérios não são apenas pro forma como ouso suspeitar. E – sejamos francos, adultos, livres e distantes de uma pueril ingenuidade -, do jeito que o edital da Funarte se configura facilita muita coisa, dentre outras, um direcionamento de acordo com vontades e desejos, ocultos desde cedo, dissimulado por todos, carregados de intenções que nos permite arquitetar maquiavelicamente atentados contra o bom senso e a soberania da arte.

Carlos Palma

Ator e Cenógrafo integrante do Núcleo Arte Ciência no Palco filiado a
Cooperativa Paulista de Pia Fraus Teatro

O caso Funarte parte 2 (folha de São Paulo) – Via fórum do teatro, by portal macunaima.

Tem mais de mês que a discussão sobre o caso funart acontece no fórum virtual do teatro brasileiro, o que gerou uma postagem a respeito,  aqui  no central de atores.

Vamos a denúncia original:

Jair Alves pinguelo
30 mai

para forum_teatro
*FUNARTE, ACESSO À INFORMAÇÃO e Editais 2012*

O presidente da FUNARTE, o ator Antonio Grassi, publicou neste dia 15 de maio PORTARIA onde  determinando que a Instituição, a partir desse momento, considera como *RESERVADAS** *toda e qualquer informações relativas a seus *EDITAIS de FOMENTO às ARTES* e não de *INTERESSE PÚBLICO*, contrariando, assim, a *LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO do Governo Federal*.

*TEXTO DA PORTARIA*

****

O *PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES* (Funarte), no uso das atribuições que lhe confere o inciso V do artigo 14 do Estatuto aprovado pelo Decreto nº. 5.037 de 07/04/2004 publicado no DOU de 08/04/2004, torna público que, de acordo com o Art.23 inciso VI da Lei de Acesso à Informação (Lei 12.5527, de 18 de novembro de 2011) (*), a Funarte classifica como *RESERVADAS* as informações relativas a seus editais de fomento às artes,* que se referem a:

*1) Conteúdo dos projetos não contemplados nos editais de fomento;
2) Conteúdo dos projetos contemplados nos editais de fomento até a sua execução* (consoante artigo 216, III c/c 216 § 1º, da Constituição Federal).*Também se inserem nesta classificação:
3)**Parecer sobre pedidos de recurso de projetos não habilitados na seleção dos editais de fomento, uma vez que não se caracterizam como informação de interesse* *público, ficando no entanto disponível ao diretamente interessado na decisão.*
*ANTONIO CARLOS GRASSI*

Por *LEALDADE*, entenda-se o termo como antítese de *DES-LE-AL-DA-DE* não como fidelidade, esse texto não foi publicado na semana anterior, saiba qual a razão. Era intenção dos autores dessa carta (*o dramaturgo, Jair Alves, e a jornalista, Suely Pinheiro)* trazer a público já no dia *15 de maio* o que se segue, em *texto * ao qual denominamos *Carolina Dieckmann, Funarte e a Turma da
Xuxa*<http://portalmacunaima.ning.com/forum/topics/carolina-dieckmann-funarte-e-a-turma-da-xuxa>
* **veiculado ontem,* porém com a *viagem do ator Antonio Grassi a Portugal e  Reino Unido*, julgamos *não seria ético contestá-lo* *(ainda que de forma respeitosa) *sem que o mesmo estivesse presente e em condições de se explicar a quem julgar necessário  *(à comunidade artística e literária, por exemplo).* Além disso, por precaução, aguardamos *publicação e
resultado do último Edital para ocupação dos Teatros da Funarte-SP* desse semestre, o que ocorreu *sexta-feira ultima*. ****

****

Por mais que se possa considerar modesta a participação na vida nacional desses dois autores é inegável que ao longo de três décadas os mesmos estiveram presentes como coadjuvantes, ao menos naqueles episódios envolvendo as artes *(O TEATRO)* e seguimentos da *IMPRENSA* se desatacando aqueles pelo que trouxeram de horrores, e outros por envolvimento de pessoas na luta pela construção de uma sociedade mais justa, igualitária e acima de tudo democrática. Episódios estes que contou inclusive com a participação de *Antonio Grassi.* Quem conhece *Jair Alves e Suely Pinheiro, * mesmo às vezes discordando de seus métodos e temperamento sabe de qual lado eles sempre estiveram; equivocados ou não. Com eles não se questiona o
item, COERÊNCIA, matéria principal dessa denúncia. ****

****

Em matérias anteriores *veiculadas pela Internet*, os autores deixaram clara sua *DISCORDÂNCIA* de *PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS DA ATUAL GESTÃO DA FUNARTE*, a exemplo de decisões que contrariam a *orientação do Governo
Federal*, especificamente sobre a questão *LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO,* *não disponibilizando dados daquilo referente ao ritual de todos os Editais.*Pois bem, neste dia *15/05* o *presidente da Instituição, Antonio Grassi *publicou
*PORTARIA *determinando que essas* “NFORMAÇÕES *são consideradas,* RESERVADAS *e não de *INTERESSE PÚBLICO”.* Quem considera? O Congresso Nacional; a Presidenta; o STF; o próprio Antonio Grassi; ou, quem sabe, sua Assessoria jurídica? Sob o juízo dos autores desse texto a piada só não teve grande repercussão porque a *PORTARIA *ficou *ESCONDIDA DENTRE MILHARES DE PÁGINAS DO DOU, *publicadas mensalmente, *NÃO CIRCULOU NA IMPREN*SA, o que pretendemos nesse momento.***

ESPANTOSO é que *MINISTRAS *ou *(secretarias com status de ministério)* do mesmo governo tem nas últimas semanas se destacado, *como Maria do Rosário e Izabella Mônica Vieira Teixeira*, respectivamente *Secretária dos Direitos Humanos e Ministra do Meio ambiente,* vem a público dando *ÊNFASE À TRANSPARÊNCIA *discutindo cada detalhes dos assuntos relacionados a suas pastas, sem nenhuma censura. Mais grave do que reprimir, como se fazia nos tempos sórdidos da Ditadura, a Portaria significa que gradativamente está sendo semeado bem como o conformismo e a autocracia burocrática, na relação
com *os Artistas E Produtores Culturais*, como se a burocracia estatal tivesse vida própria e que a mesma emanasse dos deuses e não de homens, com responsabilidade de prestar contas sobre seus atos. A *sonegação de informações* a tempo de se evitar *fatos consumados* como os *RESULTADOS DOS ATUAIS EDITAIS *que consolidam no mínimo uma *AFRONTA,
*considerada a *REALIDADE PROFISSIONAL DE MAIORIA DOS ARTISTAS*. Destacamos, aqui, algumas das *PROGRAMAÇÕES QUE FORAM APROVADAS *e *NÃO PUDERAM SER CONFRONTADAS COM OUTROS CONCORRENTES *, que gostariam de recorrer a estas decisões, até porque *A FUNARTE SE NEGOU A REVELAR O CONTEÚDO DAS PROPOSTAS INSCRITAS NOS EDITAIS*, sendo uma delas o *mini-curso, “Marxismo e
História”*<http://www.funarte.gov.br/teatro/companhia-do-latao-leva-%E2%80%9Copera-dos-vivos%E2%80%9D-ao-arena/>
*(no Teatro de Arena-SP)*, além de *UM GRUPO DE ATORES DO NORDESTE* que *vem
a São Paulo* ministrando *OFICINAS PARA ATORES*<http://www.funarte.gov.br/evento/oficina-clowns-de-shakespeare-pratica-e-pensamento/>
*(na Sala Carlos Miranda)* *ENSINANDO COMO FAZER TEATRO *nos dias de hoje.
Isto, talvez, tenha motivado a *“Lei do Silêncio”* imposta pela *PORTARIA*.*
***

****

Lamentamos que os tempos modernos* (do aqui agora) *tenham esvaziado todo e qualquer esforço pelo bem estar coletivo, das categorias profissionais dos artistas. A quem recorrer neste momento? A maioria das *ENTIDADES ESTÁ DIRECIONADA AO ENGAJAMENTO DE UMA LUTA POLÍTICA PARTIDÁRIA* fratricida que está completamente distante das necessidades desses mesmos indivíduos, hoje *CADA VEZ MAIS ÓRFÃOS DE REPRESENTAÇÃO*.****

****

****

*(*)* A *Lei de número 12.5527 NÃO EXISTE*. Talvez, estejam se referindo *à LEI DE NÚMERO 12.527, de novembro de 2011.*

****

*(**)* O que diz o *ARTIGO 27, E O INCISO VI (GRIFADO*): ****

****

*Art. 23.*  São consideradas imprescindíveis à segurança da sociedade ou do Estado e, portanto, passíveis de classificação as informações cuja divulgação ou acesso irrestrito possam: ****

*I -* pôr em risco a defesa e a soberania nacionais ou a integridade do território nacional; ****

*II -* prejudicar ou pôr em risco a condução de negociações ou as relações internacionais do País, ou as que tenham sido fornecidas em caráter sigiloso por outros Estados e organismos internacionais*; *

*III -* pôr em risco a vida, a segurança ou a saúde da população; ****

*IV -* oferecer elevado risco à estabilidade financeira, econômica ou monetária do País; ****

*V -* prejudicar ou causar risco a planos ou operações estratégicos das Forças Armadas; ****

*VI -* *prejudicar ou causar risco a projetos de pesquisa e desenvolvimento científico ou tecnológico, assim como a sistemas, bens, instalações ou áreas de interesse estratégico nacional;* ****

*VII -* pôr em risco a segurança de instituições ou de altas autoridades nacionais ou estrangeiras e seus familiares; ou ****

*VIII -* comprometer atividades de inteligência, bem como de investigação ou fiscalização em andamento, relacionadas com a prevenção ou repressão de infrações. ****

****
By

Suely Pinheiro Jornalista e Jair Alves dramaturgo***

Agora, vamos a matéria da Folha de São Paulo

O Caso FUNART e o silêncio dos editais (fórum teatro brasileiro)

FUNARTE – Ministro do CGU Sugere
Radicalizar

Ministro do CGU detona FUNARTE

Nesta
segunda feira, durante participação no programa Roda Viva transmitido simultaneamente pela Tevê Cultura e demais emissoras públicas dentre elas a TV Brasil, o Ministro da Controladoria Geral da União (CGU), Jorge Hage Sobrinho, disse ser necessário que se radicalizasse na aplicação da Lei de Acesso á Informação o que convenhamos, na atual situação em que nos meteu a FUNARTE é a mais clara resposta que se possa esperar ao imbróglio criado por ela com a expedição da Portaria 120 que determina “silencio total com relação a conteúdo dos seus editais”. O Ministro foi enfático, a ponto de afirmar que não existe “desinfetante melhor do que colocar um objeto ao sol”, disse ainda que não existe melhor forma de eliminar a corrupção do que abrir todas as informações para a população. Torcemos para que os diretores da FUNARTE tenham assistido ao programa, caso contrário sugerimos que acessem o site da TV Cultura (programa Roda Viva) onde poderão ter total conhecimento do que ali veio a público.

Anteriormente, em nota que circulou apenas entre os participantes do Fórum do Teatro, o Centro de Artes Cênicas da FUNARTE como forma de “ESCLARECIMENTOS” e com a arrogância costumeira se manifestou, mas sem citar a quem dirigia aquelas “informações” (mensagem que transcrevemos no final). Sempre que uma questão é respondida genericamente, sem contextualizá-la, consideramos ser a mais perfeita expressão do escamoteamento, coisa que acusamos imediatamente de forma clara e objetiva. Ao responder somente no Fórum de Teatro, fica claro que os diretores procuraram neutralizar qualquer possibilidade de repercussão das cobranças e comentários contrários evitando, por exemplo, que outras pessoas tomassem conhecimento de tamanho absurdo cometido no ato da expedição desta Portaria. Dentre os protestos que surgiram, destacamos a carta do ator Carlos Palma que não deixa “pedra sobre pedra” este ato autoritário do presidente Antonio Grassi. É espantoso que a FUNARTE considere como “particular” os projetos não contemplados, ao contrário de os mesmos pertencerem ao estado. Dessa forma, qual seria então o momento em que tais documentos passam a pertencer à União?

O que deve ficar claro é que os projetos participam de um certame PÚBLICO e, como tal, deve ser do interesse de todos. Ao se criar uma falsa pista a essa afirmativa esdrúxula, o que se pretende esconder é aquilo que de fato está em foco, ou seja, a programação contemplada. O Estado representa a Coletividade que, por sua vez, está comprando àquilo que a COMISSÃO considerou como sendo esta a “melhor oferta”. A Funarte não pretende, com isso, que a sociedade compre “gato por lebre”, está? A COMISSÃO, em ultima análise, é a representante da Sociedade Civil e sendo assim o que reivindicamos é tomar conhecimento antes da execução dos serviços prestados como tal. Afirmar que a CGU determinou a Criação de Regras com o intuito de cercear o acesso, é no mínimo um absurdo. Nessa entrevista dada pelo Ministro, Jorge Hage, ele também enfatizou que somente são considerados sigilosos documentos que poderão colocar em risco a Segurança Nacional, ou àqueles protegidos anteriormente por outras Leis. Quanto a este quesito, com toda certeza a própria CGU irá se manifestar demore o tempo em que for preciso e, quanto a nós, traremos a PÚBLICO seja qual for que tenha sido peticionado.

Por último, o Presidente da Funarte afirmar que os documentos estão à disposição na sede da Funarte, na Rua da Alfândega no Rio de Janeiro é o mais autêntico chauvinismo de um órgão que deveria dar guarida aos artistas.

Jair Alves
e Suely Pinheiro

“Para forum_teatro@yahoogrupos.com.br

A Fundação Nacional de Artes
esclarece:

I. Não foram
classificadas como reservadas todas as informações constantes nos procedimentos licitatórios da Funarte, mas somente três categorias de documentos, exclusivamente relativas aos editais de fomento às artes, pelos motivos que seguem:

1) “Conteúdo dos projetos não contemplados nos editais de fomento”, pois tal informação não pertence à Funarte;
2) “Conteúdo dos projetos contemplados nos editais de fomento até a sua execução”, pois a comissão criada para elaborar a classificação entende que tais documentos contêm informações que podem ser copiadas se forem abertas
antes da execução do projeto, devendo portanto ser preservada a originalidade dos projetos;

3) “Parecer sobre pedidos de recurso de projetos não habilitados na seleção dos editais de fomento, uma vez que não
se caracterizam como informação de interesse público, ficando no entanto disponível ao diretamente interessado
na decisão”.

II. Há uma série de
outras categorias de informação que não receberam a classificação “reservado”. Tais informações estarão sempre à disposição pelo SIC da Funarte.

III. Não é coincidência que a classificação de documentos reservados tenha sido publicada em data próxima à vigência da Lei de Acesso à Informação. Ao contrário, a Portaria nº 120 foi publicada por orientação da CGU,
justamente para esclarecer a sociedade sobre os documentos que não estarão disponíveis.

IV. A classificação de informações quanto ao sigilo será periodicamente revista pela Funarte, por determinação da Lei de Acesso à Informação. Todas as críticas e sugestões serão levadas ao conhecimento da comissão, para que as decisões espelhem a vontade de toda a sociedade.

*Coordenação de Teatro –
Ceacen/Funarte”

Clown Jango Edwards – Django Livre (Django Unchained) – Novo Trailer

Enquanto se escreve por aqui, Sobre o nobre palhaço Jango Edwards, surge ali, no ‘Maior Espetáculo da Internet’ uma postagem sobre o novo filme do Tarantino

Django Livre (Django Unchained) – Novo Trailer Internacional
Posted on 13/06/2012 by Rodolfo Castrezana

E volta aqui, pra me contar se tem alguma semelhança, coincidência ou referência ao mais nobre dos palhaços, e motivo deste post, Jango Edwards, que dedicou sua vida ao estudo da comédia e à arte do palhaço, não só como trabalho, mas como um estilo de vida.

Palhaço Rock’n Roll

Tem  uma entrevista dela, recomendo! É sem dúvidas um dos maiores palhaços do mundo, na atualidade!

Site com todas as informações:
http://jangoedwards.net/workshops/clown-front/

História da Arte -> Aprenda de uma vez por todas!

Tweeter button Facebook button Youtube button